Como funciona a licença paternidade estendida?

Como funciona a licença paternidade estendida?

compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A licença paternidade estendida é um benefício concedido ao colaborador para impulsionar o vínculo entre pais e filhos. Entenda aqui como ela funciona!

A chegada de um filho na família é um momento muito especial para os pais. Um bebê recém-nascido traz grandes desafios que precisam ser compartilhados igualmente e, por isso, a licença paternidade estendida é uma forma de promover essa colaboração. Essa licença é um caminho para uma reflexão da importância paterna durante a criação de um filho. Entenda aqui tudo sobre a licença paternidade estendida.

A licença paternidade é um benefício concedido ao pai de uma criança que acabou de nascer. O período de afastamento do novo pai funciona como uma licença remunerada. Dessa forma, nenhum benefício é afetado no salário mensal do colaborador.

De acordo com a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), todo colaborador com carteira assinada pode ter um dia de falta justificada no nascimento de seu filho. Entretanto, a Constituição Federal de 1988 em seu Art. 7º e o Art 10º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), garantem que a licença paternidade tenha uma duração de cinco dias.

A legislação prevê apenas cinco dias corridos de licença-paternidade remunerada, que podem ser ampliados para 20 se a empresa fizer parte do Programa Empresa Cidadã. Para as mães, o afastamento é de quatro meses por lei, e de seis nas organização que aderem ao programa. 

As empresas, porém, podem entrar em acordo com os seus profissionais para aumentarem a duração da licença paternidade. Cada organização pode definir o prazo mais adequado para as necessidades do perfil dos colaboradores.

A licença paternidade é garantida para todos os trabalhadores urbanos ou rurais, sejam eles servidores públicos ou colaboradores com regime de CLT. Ela também é um direito tanto para pais biológicos como adotivos. 

A adesão da extensão da licença paternidade no Brasil não está sendo rápida. Homens que querem participar ativamente da criação dos filhos e dividir as tarefas com as mães se deparam com dificuldades legais e culturais. Afinal, a mãe cuida, não é?

As empresas podem, e devem, começar a mostrar para a cultura corporativa que os pais também devem exercer um papel fundamental no início da criação de seus filhos, e ainda trazer a equidade entre gêneros para a cultura interna da organização. Como consequência, a organização ainda leva de quebra uma boa reputação, e deixa os colaboradores mais engajados e satisfeitos. 

Além disso, adotar esta medida ajuda paralelamente a situação das mães dentro do mercado de trabalho. Como muitas mulheres sofrem com o preconceito — muitas vezes, ainda no processo de recrutamento — em relação a uma gravidez, ou à possibilidade de engravidar, a licença paternidade estendida contribui para amenizar também esse quadro.

Até mesmo na hora de presentear os colaboradores pais, muitas vezes a empresa foca apenas nas mães da criança recém-nascida. Algumas empresas que dão um Kit Bebê Personalizado entregam o mimo apenas no caso da colaboradora que teve o bebê ser a mãe, mas não quando são os pais.

Retenção de talentos, maior produtividade no retorno, e um ambiente de trabalho mais saudável também são frutos colhidos com a adesão deste benefício para pais recentes. De olho nisso tudo, o número de empresas brasileiras que adotam a licença paternidade estendida como benefício tem aumentado. 

A companhia automotiva Volvo dispõe de um programa de licença-parental, para pais e mães, que tem duração de 180 dias (seis meses). O benefício funciona sem distinção de gênero, com o objetivo de estimular a igualdade e inclusão no ambiente de trabalho. O Nubank, banco digital, oferece aos seus colaboradores 120 dias de licença. Grupo Boticário, Natura, Netflix, Reserva e Facebook, entre outras, também oferecem o benefício no Brasil.

Fora toda a parte corporativa, a conexão entre pai e filho que pode ser estabelecida nos primeiro meses de vida da criação deve ser o principal motivo de aderir a licença paternidade estendida. Ajudar em casa, e fazer sua parte, também são ações que fazem parte do processo de educação e exemplo do pai para com o recém nascido. 

Benefícios como a licença paternidade estendida são cada vez mais valorizados pelos profissionais para escolher a empresa em que irão trabalhar, ou seguir trabalhando. Isso faz parte do salário emocional. Não deixe de investir na saúde mental dos colaboradores e leve sua empresa ainda mais longe! 
______________________

A Laços Corporativos te ajuda a conectar a sua empresa com colaboradores, parceiros e clientes. Veja aqui quem somos e como podemos fazer parte da sua empresa!

Conheça o kit bebê personalizado

receba conteúdos exclusivos sobre employee experience